“Temos de reformar as Nações Unidas para que não tenhamos de depender que cada país imponha as sanções autonomamente”, disse Ardern num discurso no Lowy Institute em Sydney, no âmbito da visita oficial à Austrália que começou na segunda-feira e termina na sexta-feira, com um encontro com o homólogo australiano, Anthony Albanese.

O representante de Moscovo no Conselho de Segurança da ONU vetou todas as tentativas para se sancionar e criticar a invasão da Ucrânia pelas tropas russas.

“Nestas circunstâncias, esperar que as nossas instituições multilaterais atuassem não era uma opção para a Nova Zelândia”, disse, justificando as medidas unilaterais tomadas pela Nova Zelândia e por outras nações para decretar sanções contra indivíduos e entidades russas ligadas à invasão.

A Nova Zelândia também prestou ajuda militar e humanitária à Ucrânia, bem como apoio a Kiev para levar ao Tribunal Internacional de Justiça os responsáveis por alegados crimes de guerra cometidos durante os combates.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.