“Consideramos que o acordo nuclear [assinado com as grandes potências em julho de 2015] foi violado e vamos reagir de forma consequente”, de acordo com o ‘site’ da televisão estatal iraniana.

Na quarta-feira, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, promulgou, apesar das suas reservas, as novas sanções económicas contra o Irão, Rússia e Coreia do Norte.

O pacote de sanções, que Trump considerou “muito imperfeito” por poder “aproximar a China, Rússia e Coreia do Norte”, foi aprovada pelo Congresso para punir Moscovo pela ingerência nas eleições presidenciais norte-americanas, anunciou a Casa Branca.

A reação de Moscovo não se fez esperar e o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, acusou Washington de realizar uma política perigosa e míope.

“É uma linha política de vistas curtas e até mesmo perigosa que se arrisca a minar a estabilidade [em todo o mundo]”, afirmou o ministro, em comunicado, acrescentando que Moscovo já demonstrou que não deixará sem resposta “atos hostis”.

As sanções incidem nomeadamente sobre o setor energético russo, o que levou a UE a criticar a decisão, por temer dificuldades no abastecimento de gás.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.