“Queremos fazer as coisas com algumas cautelas”, adiantou Luís Paulo Costa, realçando que o município, no interior do distrito de Coimbra, “tem características predominantemente rurais” e que é prioritário assegurar o escoamento de produtos locais.

Na sua opinião, importa “não haver facilitismos”, ficando para momento posterior a abertura do Mercado Municipal aos restantes operadores.

“Boa parte dos feirantes vão a outros mercados e o potencial de risco aumenta exponencialmente”, justificou.

O presidente da Câmara Municipal salientou que o encerramento deste equipamento público, no contexto da pandemia da covid-19, revelou-se “crítico para o território” e para a pequena produção familiar.

“Devemos retardar a reabertura para os outros feirantes”, sublinhou.

Na quarta-feira, a autarquia de Arganil reabriu o Balcão Único e retomou o atendimento presencial em alguns serviços, para assuntos “estritamente necessários” e com agendamento prévio, segundo Luís Paulo Costa.

“Há muitos problemas que podem ser resolvidos pelo telefone e outros canais alternativos”, acrescentou.

O autarca disse que alguns cidadãos, contudo, preferem deslocar-se aos Paços do Concelho, designadamente para efetuarem o pagamento da água e serviços afins.

“O pagamento presencial da fatura da água nos serviços é uma prática cultural”, enraizada sobretudo na população idosa, num município que decidiu não integrar a Empresa Intermunicipal de Ambiente do Pinhal Interior (APIN), criada em 2019 por vários concelhos vizinhos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.