O objetivo é que as provas reunidas possam ser usadas em tribunal.

A resolução que previa a criação desta equipa foi proposta pela União Europeia (UE) e pela Organização para a Cooperação Islâmica (OCI).

O texto foi adotado por 35 votos favoráveis, três contra (China, Filipinas e Burundi) e sete abstenções. O Conselho de Direitos Humanos da ONU integra 47 Estados-membros.

Dois países não votaram: Venezuela e Cuba.

“É a primeira vez” que um mecanismo deste género é criado pelo Conselho de Direitos Humanos, afirmou, em declarações à agência noticiosa francesa France Presse (AFP), um porta-voz deste órgão das Nações Unidas, Rolando Gomez.

A decisão do Conselho de Direitos Humanos, já saudada pelas organizações Amnistia Internacional e Human Rights Watch, será previsivelmente confirmada pela Assembleia-Geral da ONU.

Esta resolução surge depois da publicação em finais de agosto de um relatório sobre a situação em Myanmar, em que era defendido, por relatores da ONU, que os principais generais daquele país, incluindo o comandante das Forças Armadas Min Aung Hlaing, deviam ser levados à justiça internacional por “genocídio na zona norte do Estado de Rakhine (oeste de Myanmar), bem como por crimes contra a humanidade e crimes de guerra nos Estados de Rakhine, Kachin e Shan”.

No relatório, a missão da ONU pedia ao Conselho de Segurança para solicitar a intervenção do Tribunal Penal Internacional (TPI) ou para estabelecer um tribunal internacional ‘ad hoc’. A aplicação de sanções específicas contra os autores dos crimes e um embargo de armas também eram defendidos no relatório.

Em 2017, mais de 700 mil rohingyas procuraram refúgio no Bangladesh.

Estes refugiados são oriundos do Estado de Rakhine e fugiram depois de terem sido vítimas de uma campanha de repressão por parte do exército birmanês.

O êxodo dos rohingyas teve início em meados de agosto de 2017, quando foi lançada uma operação militar do exército birmanês contra o movimento rebelde Exército de Salvação do Estado Rohingya devido a ataques da rebelião a postos militares e policiais.

O Estado de Myanmar não reconhece esta minoria e impõe múltiplas restrições aos rohingyas, nomeadamente a liberdade de movimentos.

Desde que a nacionalidade birmanesa lhes foi retirada em 1982, os rohingyas têm sido submetidos a muitas restrições: não podem viajar ou casar sem autorização, não têm acesso ao mercado de trabalho, nem aos serviços públicos (escolas e hospitais).

A campanha de repressão do exército birmanês contra esta minoria já foi classificada pela ONU como uma limpeza étnica e como uma das crises humanitárias mais graves do início do século XXI.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.