Encerrado o capítulo da edição 2019 do campeonato de Portugal de Cruzeiros ORC, a mais importante competição do calendário nacional da classe de cruzeiros, este ano realizada no Porto Santo e Madeira e inserida nas comemorações dos 600 anos do descobrimento do arquipélago, muda, em 2020, para a Terceira, nos Açores, mas quer continuar na senda da homenagem aos velejadores portugueses.

Depois do tributo a Tristão Vaz Teixeira, Bartolomeu Perestrelo e João Gonçalves Zarco, que deram início aos descobrimentos ultramarinos portugueses, é a vez do navegador Fernão de Magalhães e das comemorações do quinto centenário da primeira viagem de circum-navegação ao globo servirem de âncora à organização da prova.

“Vamos propor à câmara municipal de Angra do Heroísmo integrar o campeonato no programa das comemorações”, referiu Augusto Silva, presidente do Angra Iate Clube, responsável pela organização, no próximo ano, do Campeonato de Portugal de Cruzeiros.

Depois de ter estado a “espiar” na Madeira, Augusto Silva, que elogiou a descentralização da Federação Portuguesa de Vela na atribuição da organização da prova a clubes das ilhas, aponta que em Angra do Heroísmo, na Terceira, esta deverá ocorrer “na segunda semana de julho”.

Augusto Silva sabe que tem pela frente o enorme desafio de “tentar uma organização tão perfeita quanto esta ou melhor", referindo-se ao trabalho da Associação Regional de Vela da Madeira. "A fasquia está muito alta”, reconheceu. Ainda assim, o responsável quer “bater o recorde de participações”. Ainda sem plano fechado, o percurso deverá passar entre “Angra e a Praia da Vitória [na parte leste da ilha Terceira]” e contar com uma regata noutra ilha.

No Maresia “compete-se em velocidade cruzeiro, o suficiente para beber uma cervejinha”
No Maresia “compete-se em velocidade cruzeiro, o suficiente para beber uma cervejinha”
Ver artigo

A anteceder a prova de cruzeiros ORC decorre o Angra Bay Cup “8 aos ilhéus”, evento náutico integrado nas festas sanjoaninas.

“Já comecei a trabalhar e a preparar a equipa”, assumiu Augusto Silva. Até porque o mês de julho será de intensa atividade num clube como o de Angra, que celebra, em 2020, o 25.º aniversário. “Depois do Bayona-Angra-Bayona [travessia atlântica que liga a localidade em Pontevedra, na Galiza, aos Açores, realizada em 2016 e 2018], este é um outro grande desafio no ano em que comemoramos 25 anos”, sustentou.

Mas há mais: “Teremos ainda, o Rally das Hortênsias ("Route des Hortenses", batizado de troféu Jean Le Maguer), que sai de Concarneau, na Bretanha (França), passa em julho em Santa Maria, na Terceira, pela primeira vez, vai à Graciosa inaugurar a marina e acaba no Faial (Horta)”.

Trata-se de um périplo bianual criado em 1992 por Yannick Maguer, filho de Jean Le Maguer, navegador solitário que morreu em 1951 no Faial, nos Açores.

Por fim, há ainda a “Atlantis Cup”, evento náutico alusivo à autonomia dos Açores que passa em finais de julho na Terceira. Julho “é um mês bastante preenchido”, concluiu o responsável do clube náutico de Angra do Heroísmo.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.