Da autoria da organização não-governamental Eurodad, no estudo, designado Sobrevivência dos Ricos: Como a Europa Apoia um Sistema Fiscal Internacional Injusto”, quantifica-se o número de acordos deste tipo em 547 em 2013, que passou para 972 em 2014 e 1.444 em 2015.

A Bélgica e o Luxemburgo são os dois países que concluíram mais acordos destes com as multinacionais.

A Eurodad explicou que se baseou na informação publicada pela Comissão Europeia para obter estes números, que respeitam a 17 Estados membros da União Europeia e à Noruega, cujas políticas em matéria fiscal foram analisadas.

A progressão do número destes acordos “é muito surpreendente e profundamente inquietante”, comentou Tove Ryding, co-autor do documento, que trata de questões de “equidade fiscal” na Eurodad.

“Depois dos exemplos da Apple e do LuxLeaks, sabemos que estes acordos secretos podem ser utilizados para fins de evasão fiscal pelas empresas multinacionais”, argumentou Tove Ryding.

A Apple, que acordou com a Irlanda um esquema que lhe permitiu escapar em grande parte ao imposto durante anos, foi intimada no final de agosto pela Comissão Europeia a reembolsar Dublin em 13 mil milhões de euros correspondentes a benefícios fiscais indevidos.

O escândalo LuxLeaks, que rebentou em 2014, revelou mais de 350 acordos deste tipo, em que o governo luxemburguês concedeu benefícios fiscais a multinacionais, trazidos a público por dois antigos funcionários da empresa de auditoria PricewaterhouseCoopers (PwC).

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.