De acordo com o despacho n.º 11156/2018, da ministra da Cultura, à Orquestra do Norte, à Filarmonia das Beiras e à Clássica do Sul, é atribuído o estatuto de orquestra regional.

Cada orquestra fica adstrita às regiões do norte, centro e sul, respetivamente.

A Orquestra Clássica do Sul pode ainda, no quadriénio 2018-2021, desenvolver atividade complementar na área da circunscrição territorial do Alentejo, uma vez que, até ao momento, nenhuma entidade foi selecionada em anterior concurso para o desenvolvimento da atividade na região, conclui o despacho.

O estatuto das orquestras regionais, que estabelece as condições dos incentivos a atribuir pelo Estado para que desenvolvam a sua atividade, foi aprovado em Conselho de Ministros, no passado dia 07 de junho.

O diploma, de acordo com o comunicado divulgado no final da reunião, "tem como objetivo valorizar o papel das orquestras regionais enquanto entidades que prosseguem fins de interesse público, e corrigir desigualdades subjacentes ao seu funcionamento, nomeadamente no que respeita a linhas estratégicas e aos objetivos a prosseguir, como formação, organização interna, bem como ao reconhecimento da sua função nos diferentes territórios em que estão inseridas".

A aprovação do diploma decorreu do reconhecimento, por parte do Governo, "do contributo das orquestras regionais como instrumento de valorização sociocultural através da música".

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.