Segundo a Direção-geral da Saúde, o novo Programa de Vacinação traz novos esquemas vacinais gerais em função da idade e ainda novos esquemas específicos para grupos de risco ou em circunstâncias especiais.

É o caso das grávidas entre as 20 e as 36 semanas de gestação, que passam a ser vacinadas contra a tosse convulsa - com a vacina contra o tétano, a difteria e a tosse convulsa.

As crianças entre os dois e os seis meses levarão uma vacina com seis valências: contra a hepatite B, contra a doença invasiva que pode provocar meningites e sepsis, contra a difteria, tétano e tosse convulsa.

A vacina BCG contra a tuberculose passa a ser dada apenas a crianças e pessoas com risco acrescido para determinadas doenças, sendo introduzida ainda a vacina contra a meningite B (‘neisseria meningitidis’), mas apenas a crianças consideradas de risco para certas doenças.

Aos cinco anos passa a ser administrada a segunda dose da vacina combinada contra o sarampo, a parotidite epidémica e a rubéola.

Aos 10 anos de idade as raparigas passam a fazer a primeira dose da vacina contra infeções pelo HPV (vírus do papiloma humano).

Há ainda alterações nos reforços contra o tétano, difteria e tosse convulsa em adultos e adolescentes: a primeira dose é aos 10 anos de idade e há continuação com reforços aos 25, 45, 65 anos e depois de 10 em 10 anos.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.