Dmitri Rogozine afirmou que o funcionamento das naves russas que abastecem a EEI vai sofrer com as sanções, afetando por isso o segmento russo da estação, responsável pela correção da órbita da estrutura.

Em consequência, isso poderá levar “à ‘aterragem’ da EEI, que pesa 500 toneladas”, salientou.

“O segmento russo garante que a órbita da estação seja corrigida, em média 11 vezes por ano, incluindo para evitar os detritos espaciais”, disse Rogozine, que expressa regularmente nas redes sociais apoio ao exército russo, envolvido na invasão da Ucrânia.

Num mapa mundial, em que mostrou o local onde a estação pode cair, o chefe da Roscosmos adiantou que a Rússia não corre perigo.

“Mas populações de outros países, nomeadamente aqueles dirigidos pelos ‘cães de guerra’ [numa referência aos países ocidentais] deviam refletir no preço das sanções contra a Roscosmos”, escreveu Rogozine, que apelidou os responsáveis pela imposição de sanções de “loucos”.

Em 01 de março, a agência espacial norte-americana NASA indicou estar a trabalhar em soluções para manter a EEI em órbita sem a ajuda da Rússia.

As equipas e o abastecimento são levados para aquele segmento pelas naves Soyuz e pelos cargueiros Progress, cujas bases de lançamento destas naves está “sob sanções norte-americanas desde 2021 e sob sanções da UE e do Canadá desde 2022”, adiantou Rogozine.

A Roscosmos afirmou ter enviado apelos aos parceiros norte-americanos (NASA), canadianos (ASC) e europeus (ESA) para “exigir o levantamento das sanções ilegais contra as empresas” russas.

O espaço é um dos últimos domínios de cooperação russo-americanas.

No início deste mês, a Roscosmos anunciou a intenção de dar prioridade à construção de satélites militares devido ao isolamento crescente da Rússia devido ao conflito na Ucrânia.

Rogozine anunciou igualmente que Moscovo vai deixar de fornecer aos Estados Unidos motores para os foguetões norte-americanos Atlas e Antares.

No dia 30 deste mês, um astronauta Mark Vande Hei e dois cosmonautas Anton Chkaplerov e Pïotr Doubrov, devem regressar da EEI à Terra, a bordo de uma nave Soyouz.

A Rússia lançou a 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já causou pelo menos 549 mortos e mais de 950 feridos entre a população civil e provocou a fuga de 4,5 milhões de pessoas, entre as quais 2,5 milhões para os países vizinhos, segundo os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.