- De onde és?
- Porto de Mós.
- Isso fica onde?
- É entre Leiria e Fátima. Tipo, ‘tás a ver o mosteiro da Batalha? Conheces a Nazaré? Sabes aquela loja de doces em Alcobaça?
- Ahhhh…não.

Por norma, era desta maneira que tinha de explicar de onde era quando entrei na faculdade. Por norma, também não me era dada a oportunidade de explicar em condições na maioria das vezes, uma vez que estava (por norma) com a cabeça enfiada numa sanita a espirrar bifinhos au champignon com abafado.

Ninguém sabe onde é Porto de Mós. No fundo, estou em crer que Porto de Mós é até a Atlântida dos tempos modernos. Ora vejamos (entramos na parte que pode carecer de precisão histórica, porque não fiz pesquisa e, sejamos honestos, vocês tampouco farão), esta terra foi fundada por D. Fuas Roupinho (outrora D.Fuas Roupão, mas lavou tudo a mais de 40 graus) depois de ter derrotado dois dragões ferozes e um pintassilgo que fazia adivinhas muito complicadas. Após assentar arraiais no castelo (que, devo dizê-lo sem vergonha, é o mais bonito da Europa), mandou meter duas torres em verde esmeralda e construiu uma vila em seu torno.

Bom, feita a contextualização histórica com exatidão (qualquer coisinha, vão ao site do município ou à Wikipédia, cresçam pelo amor de deus), vou falar-vos do que é para mim Porto de Mós.

Supreendentemente, é uma terra com particularidades, ao contrário das outras todas despidas de particularidades. É conhecida como “Vila Forte”, terra das mós e dos moinhos, envalada na serra de Aire e Candeeiros, negócios da pedra e essencialmente caracterizada por ter uma placa que aponta para a Batalha, caso estejam perdidos.

Corre a lenda que o posto de turismo uma vez estava aberto em Porto de Mós, foi fantástico porque quem lá entrou recebeu um mapa atualizado que já tinha (imaginem!) a ponte Salazar e tudo. Porto de Mós também tem um cine-teatro moderno e atento às tendências culturais, não quero picar-vos mas para a semana é a ante-estreia do Cobra – O Braço Forte da Lei. Munida de um espaço jovem originalmente chamado de “Espaço Jovem”, aglomera aqui tudo o que um jovem precisa num espaço. Formações e palestras? Não me dá ideia. Ateliês e Workshops? Calma, ainda é cedo. Educação e Cultura? Não sejam galifões. O “Espaço Jovem” encerra em si todo o espírito irreverente e sangue-na-guelra necessário, que são 6 computadores pentium 3 e zero jovens!

Mas não fiquem mal impressionados com isto, todas as localidades têm as suas falhas. Experimentem visitar o castelo (que, devo dizê-lo sem vergonha, é o mais bonito da Europa) e vão ver que todas estas críticas se dissipam. O castelo possui um cardápio de guias-turísticos informados, esclarecedores e entusiastas da história do concelho que vos vão deixar abismados com o sumo histórico da vila. Népia, só lá está um senhor que pede dinheiro e depois vocês que vão à vossa vida, que isto não é a Gulbenkian. E se acham que eu me estiquei a inventar a história da vila uns parágrafos acima, deviam experimentar ir ao museu. O próprio museu é um meta-museu, porque é, ele mesmo, uma antiguidade esquecida em si, e por todos, são conceitos.

Esta síndrome de dizer mal da nossa terra talvez não seja apenas portomosense, mas cá atiça-se que nem cães. Eu posso dizer mal, que sou de cá. Se vos ouço a dizer alguma coisinha que seja sobre a minha terra, chamo os meus amigos (que eu sou meio enfezadinho) para vos dar nos cornos.

Sem querer cair em clichés 'chagas-freitísticos', Porto de Mós é uma filosofia. É ir meter o Euromilhões ao Central e ficar dez minutos a ponderar — a beber minis — que parte da vila é que se limpava para meter lá os Guns 'n' Roses a tocar com o dinheiro ganho. É jogar à moeda no Convívio depois de fechar (senhores guardas, no caso de estarem a ler, fechem os olhos) e até o sol começar a alumiar as torres do castelo (que, devo dizê-lo sem vergonha, é o mais bonito da Europa), e depois ir tomar o pequeno-almoço à Cila juntamente com as pessoas que vão para o trabalho, coitadas. É nunca mudar de amigos desde o infantário até ao décimo segundo ano. É ficar orgulhoso por aparecer nas notícias, nem que seja por ter acontecido um acidente – “É a minha terra”. É saber que o Sabugo ou o Quim Ronca vão aparecer a cravar vício e invariavelmente alguém vai ceder. É sentir-se sempre seguro e em casa. É uma almofada para a vida de merda que muitos têm de levar fora dali e o cérebro transpira só de pensar que no fim-de-semana vou a Porto de Mós, "valha-me deus".

É dizer – “oh c*na” – como interjeição para tudo. É olhar para o tribunal que tem as fachadas mais velhas que alguns processos que lá vigoram e dizer – “Este edifício é bonito”. É dizer que o Foka Energie é um foleiro e ser titular em todos as festas kizombeiras que ele faz, de pé em riste na grade e “bebe uma à minha conta”. É olhar para o castelo (que, devo dizê-lo sem vergonha, é o mais bonito da Europa) a meio da noite, a brilhar com aquelas torres e decidir onde se vai jogar um poker. É ir correr na ecopista (fiz uma vez) e ver a natureza a troçar-nos enquanto se pondera transplantar os pulmões.

É grutas, é arco da memória, é estradas romanas, é calçada, é ir festejar para a rotunda. É as festas de São Pedro e o fogo de artifício que marcha todos os anos. Não estão a perceber. É um anti-depressivo que se toma de freguesia em freguesia. Eu tenho medo de tudo e lá não tenho medo de nada. Quer dizer, só tenho medo de ir embora. É saber que, qualquer que seja a hora, o dia, o mês, o ano, tens uma identidade. Não é só tua, é nossa. É de Porto de Mós. 

Por isso agora, se me perguntam:

- De onde és?
- Porto de Mós.
- Isso fica onde?
- No meu coração…*

*Correcção – Este era o final à castelo da Disney, que não chega aos calcanhares do de Porto de Mós (que, devo dizê-lo sem vergonha, é o mais bonito da Europa). O final verdadeiro é:

- De onde és?
- Porto de Mós.
- Isso fica onde?
- Oh c*na! Nã sabes, nã perguntes.

Pedro Durão tem 25 anos, é guionista, comediante, rapper e amigo do seu amigo. É orgulhosamente de Porto de Mós, muito embora resida (contra sua vontade) em Lisboa há sete anos. Qualquer coisa, vão ralhar com ele no Twitter

A Minha Terra é uma rubrica especial do SAPO 24 em que várias pessoas são convidadas a falar da sua terra. Quer falar sobre a sua? Envie-nos um email para 24@sapo.pt.

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.