Francisco, por sua vez, declarou ao Presidente ucraniano que está “a rezar e a fazer todo o possível para acabar com a guerra, provocada após a invasão da Rússia”, escreveu o embaixador ucraniano na Santa Sé, Andrii Yuash, na rede social Twitter.

“Novo gesto de apoio do Papa Francisco: Há poucos minutos o Papa ligou ao Presidente Zelensky. Ambos tiveram uma conversa promissora. O Papa disse que está a rezar e a fazer todo o possível para o fim da guerra e Zelensky reiterou que o Papa Francisco é o convidado mais esperado da Ucrânia”, escreveu o diplomata.

Francisco já havia ligado para o Presidente ucraniano em 26 de fevereiro, quando expressou a “sua profunda dor” pelo que está a acontecer no país.

Há poucos dias, o autarca de Kiev, Vitali Klitschko, também enviou uma carta ao Papa Francisco, convidando-o a visitar a cidade neste momento de guerra ou, se isso não for possível, a participar numa videoconferência para enviar uma mensagem para a população.

“Acreditamos que a presença dos líderes religiosos mundiais em Kiev é a chave para salvar vidas e abrir caminhos para a paz em nossa cidade, em nosso país e em todos os lugares”, escreveu o autarca.

O Vaticano confirmou ter recebido a carta do autarca e acrescentou que Francisco “sentia-se próximo do sofrimento da cidade, de seu povo, daqueles que tiveram de fugir e daqueles que foram chamados a administrá-la”.

Francisco fez vários apelos para o fim da guerra na Ucrânia, mostrando a sua disposição de “fazer tudo” para ajudar a encontrar uma solução para o conflito, nomeadamente ao enviar dois cardeais para mostrar a sua proximidade ao povo ucraniano.

Porque o seu tempo é precioso.

Subscreva a newsletter do SAPO 24.

Porque as notícias não escolhem hora.

Ative as notificações do SAPO 24.

Saiba sempre do que se fala.

Siga o SAPO 24 nas redes sociais. Use a #SAPO24 nas suas publicações.