com o apoio MEO
em modo Escuro poderá poupar até 30% de energia. Saiba mais

Só se via as malas a cair e os ferros a rebentar

Pedro Soares Botelho
Pedro Soares Botelho

A gente põe-se a caminho e, mal sobe a bordo, quase sente logo o cheiro a casa. Entra-se no Oriente e já se ouve o apitar do metro em Campanhã, apressado a avisar a entrada. Uma pessoa senta-se no lugar e espera chegar ao destino — ignorando a distância e o caminho.

E, depois, vai embater numa máquina e fica ali perdido em Soure, Coimbra. José Pereira, 73 anos, vinha de Lisboa à espera de chegar a Vila do Conde. Estava sentado, com a mulher e o neto, na carruagem seis do Alfa Pendular, a joia da ferrovia portuguesa, o mais veloz, mais qualificado dos comboios.

Veio o embate: “só se via as malas a cair e os ferros a rebentar”. José agarrou-se ao neto. Saíram os três praticamente ilesos.

Morreram duas pessoas, dois funcionários do VCC — Veículo de Conservação de Catenária — da Infraestruturas de Portugal (ex-REFER), que pereceram a norte da estação de Soure. São as duas únicas vítimas mortais de um acidente ainda não entendido que fez 43 feridos, sete dos quais em estado grave, num total de 214 pessoas envolvidas no acidente ferroviário.

Pedro Nuno Santos, o ministro das Infraestruturas, garante que a ferrovia é segura. E o resultado do acidente mostra-o: a violência do embate foi tolerada pelo Alfa, onde não morreu ninguém. Apesar da destruição, provada pelas imagens, apesar dos ferimentos, a tragédia não foi tão grave quanto outras que, em passados antigos, os caminhos de ferro portugueses já tiveram a infelicidade de conhecer.

Mas duas mortes são sempre duas mortes. Dois trabalhadores cuja vida terminou a meio da linha, por causa de um acidente que tem agora de ser esclarecido. Porque a ferrovia portuguesa está dotada de tecnologia que devia evitar precisamente este tipo de coisas. Não evitando, falhou. E essa falha, seja de quem (ou do quê) a responsabilidade, custou duas vidas.

Jornais do dia

  • Público
    Público
    31 Julho 2020
  • Jornal de Negócios
    Jornal de Negócios
    31 Julho 2020
  • Diário de Notícias
    Diário de Notícias
    31 Julho 2020
  • Ípsilon-Público
    Ípsilon-Público
    31 Julho 2020
  • Jornal Económico
    Jornal Económico
    31 Julho 2020
  • El País
    El País
    31 Julho 2020

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa , as nossas notificações ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.
mookie1 gd1.mookie1