Eles não param desde sábado. É um passeio pela baixa lisboeta, um saltinho ao mercado da Ericeira para comprar peixe, um cafezinho numa pastelaria de Benfica tomado na esplanada, um almoço no Bairro Alto, uma visita rápida à Torre de Belém com o desafio de planear férias cá dentro.

Com a segunda fase de desconfinamento em curso, Costa e Marcelo encetam um (claro) esforço concertado para devolver a confiança aos portugueses. Use máscara, mantenha o distanciamento social e a etiqueta respiratória, mas não fique em casa. Esta parece ser a mensagem — e a economia agradece.

E por cada saída, fica o convite a abraçar este novo normal, em que aprendemos a conviver com o vírus — ou não fosse a vacina demorar um ano “na melhor das hipóteses”.

"Com a mesma determinação como nos fechámos, temos agora também de voltar à rua", disse António Costa este sábado, depois de passear pela baixa lisboeta de braço dado com a esposa e acompanhado por jornalistas e por Fernando Medina. Hoje, o primeiro-ministro começou o dia numa pastelaria em Benfica, tomou um café na esplanada, comeu um folhado, e disse que “depois de não nos termos deixado vencer pelo vírus, não nos podemos deixar-nos vencer pela cura”. “Se continuarmos todos parados sobrevivemos à doença, mas podemos não sobreviver à cura. É preciso ir vencendo estes receios, com confiança e sempre com cautela”, concretizou. Horas mais tarde — depois de uma entrevista à TSF onde anunciou que os 500 ventiladores encomendados por Portugal à China já se encontram na embaixada em Pequim, reafirmou a sua confiança em Centeno e antecipou um verão sem bares nem discotecas —, convidou Ferro Rodrigues para almoçar no Bairro Alto. Aqui já adiantou que o Governo está a trabalhar num desenho do Orçamento Suplementar associado a um programa de emergência económico e social, sem porém avançar com detalhes (que é como quem diz números) envolvidos.

Não menos ativo, Marcelo Rebelo de Sousa foi ao mercado da Ericeira no domingo fazer compras. Não houve beijinhos, mas regressaram as selfies (com o devido distanciamento) e até ficou a promessa de um mergulho primeiro em Cascais e depois na Ericeira no próximo dia 6 de junho, em que reabrem as praias. Hoje deu um pulo à Torre de Belém, por ocasião do Dia Internacional dos Museus, que este ano coincide com a reabertura destas estruturas ao público depois de dois meses de confinamento. Depois da visita, lembrou que estamos numa maratona contra o vírus (não há cá sprints para ninguém) e por isso deixou o apelo aos portugueses para que tirem férias cá dentro e "redescubram o encanto" do património cultural do país.

Lá fora, a dupla que quer liderar a retoma europeia aparece encabeçada pela França e pela Alemanha — neste caso por Macron e Merkel — que propuseram hoje o valor de 500 mil milhões de euros para a criação de um fundo de recuperação europeu para as economias afetadas pela pandemia de covid-19.

Entretanto, alinhado com Costa parece estar o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire. Porquê? O primeiro-ministro português disse que hoje, na citada entrevista à TSF, que "neste momento a doença que vivemos do ponto de vista económico não tem a ver com um problema estrutural da nossa economia, nem com uma rutura das finanças do Estado, ou com uma crise do sistema financeiro. Tem a ver com uma paralisação da economia à escala global. Nós não temos neste momento de acrescentar medidas de restrição económica — seja por cortes no rendimento, por via de cortes de salários ou pensões, ou por via de impostos — para responder a esta crise. O que esta crise precisa é de incentivos à procura de forma a poder retomar a produção. Precisamos do contrário das medidas de austeridade".

Já Bruno Le Maire adiantou que o Governo francês não aumentará os impostos para responder à acentuada subida das despesas públicas devido à crise e referiu que a dívida gerada será paga mais tarde. Numa entrevista à rádio “France Info”, o governante insistiu no facto de que a dívida gerada será paga, “mas mais tarde" e graças "ao crescimento futuro da atividade” económica. Le Maire disse ainda que aumentar os impostos é recorrer a uma “solução fácil”, repetindo que o Governo “não quer fazê-lo”.

O alinhamento não é de estranhar. É porque desta vez a crise não é minha ou tua, é nossa. Não houve recanto da Europa que escapasse ao impacto da covid-19 e, como referiu Costa: "Se não for agora que a Europa consegue responder bem a esta crise suscitar-se-á uma enorme dúvida à escala global sobre o sentido da Europa".

Empresas & Emprego

O que vai ser de nós? Quatro lições para a era pós-Covid

"Durante semanas estivemos fechados em casa. Contamos as horas e os dias para terminar a quarentena e agora que tudo parece regressar ao normal, o que será de nós?"

reflexão de Daniela Matinho na rubrica do SAPO24 Regresso a um Mundo Novo, criada em parceria com a plataforma 100 Oportunidades e que visa pensar o mundo pós-pandemia.

Ir ao museu sem sair de casa? Isto não é só um roteiro virtual, é um convite

Depois de dois meses encerrados, devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus, os museus e monumentos de Portugal voltam hoje a abrir as suas portas ao público — coincidindo assim com a data em que se celebra o Dia Internacional dos Museus. Para marcar o momento, o SAPO24, no âmbito da agenda "Acho que Vais gostar Disto" de hoje, deixa-lhe um roteiro virtual de museus, antecipando assim a próxima visita "ao vivo". A par, falámos com curadores e diretores sobre como se prepararam para a retoma. Veja tudo aqui.

créditos: MÁRIO CRUZ/LUSA

A DGS orienta, as creches preparam-se, os pais hesitam e as crianças, onde ficam?

Esta segunda-feira começou a segunda fase do desconfinamento, marcada pela reabertura das creches que, sob as orientações da Direção-Geral da Saúde, voltam a retomar as atividades com os mais pequenos. As instituições dizem-se preparadas, mesmo perante guias das autoridades de saúde em mutação e a (natural) desconfiança dos pais. Uma reportagem de Tomás Albino Gomes para ler aqui

Newsletter

As notí­cias não escolhem hora, mas o seu tempo é precioso. O SAPO 24 leva ao seu email a informação que realmente importa comentada pelos nossos cronistas.

Notificações

Porque as noticias não escolhem hora e o seu tempo é precioso.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.